O que é comida de verdade? Parte 1

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone

integral

Assim que comecei a comer diferente, as pessoas frequentemente me perguntavam:

– O que é essa nova dieta que você está fazendo?

E eu sempre respondia:

– Não estou fazendo dieta. Só como comida de verdade. Evito comidas industrializadas e processadas, por exemplo.

A replica era quase sempre a mesma:

– Ah, eu também!

E aí a pessoa puxava uma barrinha de cereal da bolsa e um mate leão diet… 🙂

Barrinha de cereal e mate de copinho, assim como muitos outros produtos considerados saudáveis, não são comidas de verdade. Eles são o que Michael Pollan chama the “substâncias comestíveis”. Isso não quer dizer que sejam bons ou ruins. Ser ou não ser comida de verdade não é um julgamento, é apenas um fato. Eu opto por comer apenas comida de verdade mas não por ser bom ou ruim, e sim porque aprendi que uma enorme parte dos problemas que eu tinha com comida eram resultado do consumo produtos alimentîcios industrializados, e quando parei de consumi-los minha relação com comida mudou da água pro vinho.

Mas afinal, o que é comida de verdade? Para mim, comida de verdade tem três características:

  • Comida de verdade é integral
  • Comida de verdade é antiga e tradicional
  • Comida de verdade não precisa de informações nutricionais

Na Parte 1 deste artigo, vamos dar uma olhada na primeira.

Comida de verdade é integral

Integral significa inteiro, completo, total.

Por exemplo, frango na sua versão integral contém ossos, órgãos, pele, gordura, e músculo, e todas essas partes sao deliciosas e nutritivas. Quando comemos apenas peito de frango sem pele, sem gordura e sem osso todos os dias estamos consumindo frango subtraído, e não frango de verdade. Eu adoro um peito de frango grelhado, mas como também com frequência fígado de frango, caldo de frango feito com ossos e pé de galinha, coração de galinha, e coxa de frango com pele.

Hoje em dia é tão comum acharmos versões subtraídas de alimentos que achamos normal. Alguns exemplos são:

  • leite desnatado
  • leite com baixa lactose
  • omelete só de claras
  • açúcar light
  • farinha de trigo refinada (farinha integral contém 3 partes: a casca (ou farelo), o gérmen, e o endosperma, mas quando a farinha é refinada sobra só o endosperma)
  • sal de cozinha (sal marinho e outros tipos de sal não processados podem conter até 80 minerais, mas quando processado só sobra mesmo cloreto de sódio)

Além das subtrações, é muito comum também encontrar adições a produtos integrais também. Por exemplo:

  • aditivos
  • conservantes
  • realçadores de sabores
  • corantes
  • açúcar
  • vitaminas e minerais que não são naturais da comida (comum em produtos para crianças como mingau e leite em pó)

De todos os alimentos não-integrais que eu consumia, o que mais me dava medo era leite integral. Vamos combinar, leite integral fresco é um nectar dos deuses! Mas para mim era alimento proibido para o resto da vida porque, afinal, leite integral engorda… Tomar leite integral no dia-a-dia sem culpa e sem medo foi uma enorme liberação para mim. E o melhor de tudo é que, tanto minha experiência pessoal como estudos científicos recentes mostram que leite integral não engorda e é saudável no contexto de uma alimentação baseada em comida de verdade.

Vale mencionar, no entanto, que a grande maioria dos leites que achamos no supermercado, mesmo os integrais, não são comida de verdade… Eles são altamente processados e ultra-pasteurizados, e se você ler os ingredientes na caixa verá que não é so leite. Leite de verdade não é longa vida, leite de verdade estraga! Mas esse é assunto para outro artigo.

E você, quais as comidas integrais que você sempre evitou para não engordar? Compartilhe nos comentários abaixo!

Leia aqui a Parte 2.

Trackbacks

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *